quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Teje preso, Seu mosquito!

Um homem entrou na Justiça pedindo indenização contra o Estado, a União e o Município por ter perdido o emprego porque ficou afastado do serviço por causa de uma dengue. Estado e a União alegaram que esse assunto é competência do município. Já o município se defendeu falando que como o homem mora na divisa de Goiânia com Trindade a cidade não pode pagar por isso, já que o mosquito pode não ser goianiense.
Pasmem, essa história é real. A audiência de conciliação (onde não ocorreu conciliação nenhuma) foi ontem. Não, isso não é uma piada. Não estou brincando!
Fiquei pensando como os advogados de Goiânia puderam apresentar isso como defesa!
A advogada do homem desempregado ainda curtiu durante a entrevista dizendo que eles não pediram o comprovante de endereço do mosquito.
Ficamos lá na TV confabulando hipóteses para o mosquito não identificado. A primeira foi que ele pode ser um morador de Trindade que trabalha em Goiânia. A segunda foi que ele é um devoto do Divino Pai Eterno que, morando em Goiânia, resolveu fazer uma visitinha ao outro município para pagar promessa. Mas a terceira hipótese foi a que intrigou a todos: E se os pais do mosquito não o registraram? Se é um mosquito indigente, como vamos achá-lo pra saber de quem é a responsabilidade da transmissão da doença?
Portanto, se você avistar um mosquito da dengue voando por aí, grite logo: “Teje, preso, Seu mosquito!”. Chame os agentes de saúde e peçam pra averiguar se foi ele quem picou o homem que perdeu o emprego.
Ah, um conselho muito importante: Se algum mosquito quiser te picar, não deixe antes que ele te mostre a identidade e o brevê (porque não é qualquer inseto que pode sair voando por aí sem autorização da prefeitura!).

Textos e imagens desse blog só podem ser publicados e/ou utilizados em outros locais com autorização da autora.

5 comentários:

streoggne disse...

Eu te conto onde ele está escondido, mas você vai ter que me dar r$ 100,00 pela informação. hehe

Renatim Pirei disse...

Ótimo! Excelente!!

Carlos disse...

Gostei deste texto, bom que ele dá margem para se abordar um tema muito maior: A responsabilidade do Estado em casos de epidêmias urbanas por falta de investimentos no combate a proliferação de pestes (putz, ficou grande isso). Fica com Deus...

KK disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk ...

é de rir!!!

Alberto disse...

Outro dado: há mais de uma espécie de mosquito que pode transmitir o dengue (tem um tal de Aedes albopictus, que é mais resistente e mais FDP que o A. aegypti)! Agora aumentou muito o número de meliantes alados e organizados por aí! O verão de 2009 vai ser uma festa... pro mosquito, claro!