sexta-feira, 10 de julho de 2009

O novo professor de Literatura

Era uma manhã como todas as outras e no intervalo de uma aula e outra, ela estava de costas para a porta da sala conversando com as amigas. Toda a turma esperava pelo novo professor de Literatura, já que o antigo havia se demitido na semana anterior. Ela sorria da história da colega quando toda a classe silenciou. Sentiu uma presença muito forte que passava atrás dela. Ele havia chegado. Virou-se e o viu.

O professor, para a surpresa dela, era bem mais novo que os outros professores. Ele tinha olhos penetrantes e olhava para ela. Não sabia o que fazer, parecia que tudo a sua volta havia sumido, não podia mais escutar os colegas de classe, não conseguia nem mesmo pensar direito, as mãos suavam e o coração batia forte. Sentou.

Passou a aula toda reparando nele. O sorriso, a mão que não parava, os cabelos negros caindo sobre a testa e a empolgação com que falava sobre Literatura. Os poemas pareciam ganhar alma na voz dele. A aula terminou e na saída, eles se esbarraram na porta. Se olharam, trocaram sorrisos e se foram.

Com o tempo, as aulas de Literatura ganharam um espaço enorme na vida dela. Agora ela lia cada vez mais, estudava com afinco as lições e estava sempre na biblioteca ou na livraria procurando um novo livro. E por causa disso, se tornou a melhor aluna da classe daquele professor. Era impossível não recorrer a ela quando toda a turma se mostrava silenciosa diante de alguma pergunta.

Com o tempo, os dois foram se aproximando e ele passou a indicar livros e filmes para ela. Às vezes no intervalo das aulas ou na volta para casa ele contava para ela sobre os filmes que gostava de assistir e falava da beleza das mulheres do cinema.

Durante os próximos três anos, ela tentou fazer-se notada. Cada vez que ele elogiava uma daquelas artistas de cinema, ela tentava imitar algo nelas: o cabelo, o vestido, o jeito de falar. Também leu todos os livros que ele indicou. Começou a escrever poemas e contos. Participava das aulas. Mas ela sentia que ele a via apenas como uma aluna e ela queria mais.

O segundo grau acabou. Naquele dia ela foi à escola só para se despedir dele. Se abraçaram e ela finalmente tomou coragem para perguntar:

- Quer sair comigo hoje?

Nesse momento sentiu que as bochechas coraram de vergonha.

- Não posso. Tenho um encontro com uma moça chamada Audrey.

Ela deu um sorriso forçado, disse até logo e saiu. Aquele foi o último dia dela na cidade. Se mudou para fazer faculdade.

Anos depois ela se tornou diretora de cinema. Era o quinto filme que lançava com sucesso. Logo depois da estreia, ela conversava com algumas pessoas que a parabenizavam quando viu uma figura que vinha em sua direção. Mesmo de longe ele chamou a atenção dela. Não sabia o que fazer, parecia que tudo a sua volta havia sumido, não podia mais escutar as pessoas que falavam com ela, não conseguia nem mesmo pensar direito, as mãos suavam e o coração batia forte. Sorriu. Era ele!

Ele se aproximou:

- Lembra de mim?

Como não lembraria? Ele continuava o mesmo, um pouco mais velho, mas era o mesmo. O olhar ainda era aquele penetrante de antes. Conversaram por horas.

Ela não podia deixar de perguntar:

- E você se casou com aquela moça chamada Audrey?

Ele riu copiosamente. E ela já estava ficando nervosa quando ele conseguiu responder:

- Você ainda lembra daquilo? Sua boba, eu estava falando da Audrey Hepburn! Eu apenas ia assistir um filme dela e afinal, não podia sair com uma aluna minha.

Ele se foi. Voltou para a cidade onde se conheceram.

Meses depois ela bateu na porta dele.

- É que tenho um filme inédito pra te mostrar...

Ele assistiu atento a história de uma aluna apaixonada por um professor. E, de repente, o filme acabou na hora em que a mocinha, já grande, perguntava se o ex-professor queria namorar com ela.

- É que eu preciso da sua ajuda pra terminar o filme...

Ele se levantou a pegou pela mão e começaram a dançar. Ele cantava no ouvido dela:


"Vivia a te buscar
Porque pensando em ti
Corria contra o tempo
Eu descartava os dias
Em que não te vi
Como de um filme
A ação que não valeu
Rodava as horas pra trás
Roubava um pouquinho
E ajeitava o meu caminho
Pra encostar no teu..."

Música: Valsa Brasileira, de Chico Buarque e Edu Lobo.

Textos e imagens desse blog só podem ser publicados e/ou utilizados em outros locais com autorização da autora.


2 comentários:

Lian Tai disse...

Eu já passei por essa fase! ;)

Silva disse...

rs