sexta-feira, 18 de julho de 2008

Assim como Dom Quixote

Foto: Mayara Vila Boa
Há alguns dias um amigo, querendo me proteger, me disse que devo parar de sonhar. Que devo colocar os pés no chão e pensar nas coisas imediatas, aquelas que posso tocá-las e não nas que podem acontecer um dia. Na verdade ele acredita que alguns dos meus sonhos são malucos demais, que minhas certezas são infundadas e que essa minha esperança vai me levar a “dar com os burros n’água”.
Depois do banho de água fria, um bloqueio de escritor e dois dias sem ânimo para nada, ontem fui assistir “Sex and the City” no cinema e encontrei a resposta. Não, não, não, a resposta não está no mundo consumista e nas futilidades de Carrie e suas amigas. O “x” da questão está em como elas se arriscam. Vendo as peripécias das quatro mulheres em Nova York pude ver que era isso que eu queria responder ao meu amigo: a vida é um risco.
Carrie se arrisca ao deixar que a cerimônia do casamento seja maior do que o sentimento que a une a Big. Samantha se arrisca entre ficar com o relacionamento estável e morno a se separar e voltar ao mundo das solteiras. Miranda se arrisca entre continuar separada do marido e voltar para tentar uma nova vida sem olhar para trás. Charlotte, bem, essa não se arrisca muito.
Mas a vida é isso aí. É estar na corda bamba o tempo todo. É não saber como será amanhã. É não ter a mínima noção se aquele relacionamento que juramos para sempre hoje durará até o mês que vem. É não saber se o cara que paqueramos vai nos ligar e chamar para sair. A vida é isso e os relacionamentos também. Não é porque uma pessoa está ao meu lado que quer dizer que ela esteja comigo e não é porque ela está longe que não quer dizer que ela não esteja aqui dentro.
Tudo tem 50% de chance de dar errado e 50% de chance de dar certo. E se ficamos com medo vamos pender a balança para a chance de dar errado. A vida encaminha as coisas, mas precisamos dar uma ajudinha, precisamos acreditar em nós mesmo e fazer acontecer. Não sou dada a desistir facilmente. Só costumo desistir depois de fazer tudo o que eu podia fazer para que algo desse certo.
Claro que também quebro a cara com essa minha teimosia, mas até hoje não me arrependo das vezes que tentei. Olho para todos os meus relacionamentos e vejo que tentei até o fim, até quando não podia mais. E quando analiso o sofrimento que o término de cada um deles me causou, penso que foi tudo muito bom para que eu crescesse. Só tenho um arrependimento. De todas as maluquices que já fiz por amor, tenho um único arrependimento. O de não ter tentado uma vez há alguns anos por medo. E isso eu não quero repetir.
Vai ver que sou meio louca mesmo, vai ver que de tanto ler e assistir filmes me tornei assim como Dom Quixote, de Cervantes:

“Em suma, de tanto naquelas leituras se enfrescou, que passava as noites de claro em claro e os dias de escuro em escuro, e assim, de pouco dormir e do muito ler, se lhe secou o cérebro, de maneira que chegou a perder o juízo. Encheu-se lhe a fantasia de tudo o que achava nos livros, assim de encantamentos, como pendências, batalhas, desafios, feridas, requebros, amores, tormentas e disparates impossíveis; e, assentou-se lhe de tal modo na imaginação ser verdade toda aquela máquina de sonhadas invenções que lia, que para ele não havia história mais certa no mundo”.

Vai ver que alguns têm essa sina mesmo: enlouquecer! Então, é só pegar o meu Rocinante e escrever...

6 comentários:

Dulce disse...

acontinuo tendo um grande razer em ler seus textos. Parabéns!! espero que vc mude a cabeça do deu "AMIGO" meio desanimado com a vida. Beijos da Dulce Chaer

Dulce disse...

CORREÇÃO: CONTINUO , PRZER

Renatim Pirei disse...

Excelente, muito bom mesmo! É, vamos ter que abrir os olhos para "os riscos da vida"...

Aprendendo sempre um pouquinho mais de tudo aquilo tão desconhecido e imaginado.

Beijos!!

jotape° disse...

;)

Mayara Vila Boa disse...

Um amigo meu, Dimas, mandou esse comentário para meu e-mail:
"Pode ser lugar comum e vc ter ouvido de um monte de gente, mas vai lá:

"É melhor arrepender-se de ter tentado e falhado, do que de não ter tentado e nunca saber qual seria o resultado".

--
Dimas"

KK disse...

garanto que vou visitar vc no sanatório todos os dias e levar cigarros, ops, acho que esse é na cadeia... não importa, serei sua amiga mesmo na loucura e vou levar doces, chocolates e fazer tranças nos seus cabelos!
apesar de que já passei a acreditar que as chances de que seus sonhos se realizem são boas!
mas no caso da realidade ser dura e crua, deixe meu nome na portaria!!!